sexta-feira, 22 de abril de 2016

E hoje faz 5 anos...


“Que tédio!!”, reclamei. Um mês solteira e sozinha por mais um fim de semana.  

Não que eu quisesse um namorado novo, claro que não (Deeeeeus me livre!), mas meu ex conseguiu me colocar como a vilã da situação novamente e nossos amigos, com dó, o chamaram para todas as festas e eventos, e eu fui excluída. Fiquei revoltada no começo, pois me sentí meio traída, abandonada, já que pessoas nas quais eu confiava de olhos fechados se afastaram de mim para apoiar o ex. É claro que eu não demonstrei o rancor, né?! Fui para a faculdade o mês inteiro, conversando com todos, fingindo que nada havia acontecido. Meu ex nem olha na minha cara. Semana passada berrou comigo em público dizendo coisas do tipo “Eu corri atrás de você! Por que você não corre atrás, também??” ou “Você está feliz pelo término, pois agora pode sair com os seus machos!!”, etc etc. 

Mas dessa vez eu pensei diferente! Eu sempre fui muito sonhadora! Sempre planejei meu sucesso e nunca neguei a minha vontade de aprender a falar outras línguas e me mudar para a Europa! Por que não começar naquela noite, já que a única coisa que me impedia de concretizar meus sonhos havia desaparecido há mais de um mês?? Victor, um amigo meu da faculdade, já tinha comentado sobre um videochat no qual você conseguia conhecer e conversar com pessoas de todos os lugares do mundo. Eu já tinha experimentado uma vez e não tinha achado muito interessante, porém algo me dizia que eu deveria tentar novamente… “Vou usar para treinar inglês. Preciso sair desse país o quanto antes e começar a realizar os meus planos…”- eu repetia para mim mesma. “Vai dar certo, eu sei que vai!”.

 Peguei uma garrafa de Heineken, abri o laptop e entrei no tal site. O único problema desses videochats, é que se encontra muito homem canalha querendo exibir as partes íntimas para todo mundo da internet! A cada canalha que aparecia, eu clicava em "Next", assim a próxima câmera se conectava, e eu começava a conversar com a próxima pessoa que aparecia. Depois de duas horas, quatro Heinekens e muitos cliques no "Next", ele apareceu na tela. Cabelos longos e alaranjados, olhos verdes acinzentados e meio fechadinhos, aparentava estar tão embreagado quanto eu. Usando uma camiseta preta com o nome de uma banda de heavy metal que, por acaso, eu também gostava muito. Abri um sorriso e ele sorriu de volta. "Que menino lindo..."- pensei. 

 Levantei meu braço direito para a câmera mostrando que estava bebendo, e ele, sorrindo, levantou o braço também, mostrando uma garrafa de uma cerveja que nunca tinha visto antes.  Resolvi então tomar iniciativa e comecei a escrever em inglês:

-Gostei da camiseta.

-Você gosta de metal? - perguntou, aparentemente surpreso.

-Adoro, na verdade estava ouvindo até agora há pouco. De onde você é?

-Adivinha... - ele desafiou, bebendo mais um gole de cerveja.

Parei para analisar, "Hm... ruivo, alto, ombros largos, essa barbicha longa, parece um lenhador..."

-Alemanha? - falei o nome do primeiro país que me veio à cabeça. 

-Nossa, certinho! Moro num vilarejo na Alemanha, quase divisa com a Holanda... 

"Uau, Alemanha! Holanda! Vilarejo!!!" - pensei, imaginando o quão longe da minha realidade tudo aquilo era... 

 Naquela noite a conversa fluiu por mais de 4 horas e eu vi pela primeira vez na vida, através de uma tela, o Sol nascer na Alemanha. 

Hoje faz exatamente cinco anos que tudo isso aconteceu. Eu sei, parece conto de fadas, novela mexicana, Maria Mercedes. Mas dessa vez foi real. E isso é só um pouquinho da história que mudou e vem mudando minha vida todos os dias até hoje, espero que em breve vocês possam ler tudo na íntegra, quem sabe em um livro? A gente nunca sabe o dia de amanhã, não é mesmo? 

" Roman, meu amor, sou eternamente grata por ter te conhecido, você me faz ser uma pessoa melhor a cada dia. Eu te amo muito! Obrigada por existir!" 



Bis Bald! :)